RÁDIOS
RÁDIOS

29 FEV 2024

Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota

Abertura de Portas: 19h00
Início do Espectáculo: 20h00

CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: M/6
BILHETES

Plateia em Pé - 34€
Balcão 1 - 36€
Balcão 2 - 35€
Mobilidade Condicionada - 34€

Apenas são válidos os bilhetes adquiridos nos pontos de venda oficiais. Não adquira bilhetes em sites de mercado secundário.

Locais de venda oficiais: Ticketline, SeeTickets, MasQueTicket, Ticketmaster, Agência ABEP, Altice Forum Braga, C. C. Mundicenter, Cascais Visitor Center, Casino Lisboa, Centro Cultural de Belém, E.Leclerc, El Corte Inglés, FNAC, IT Tabacarias, Pav. Multiusos de Guimarães, Sagres Campo Pequeno, Super Bock Arena, SuperCor, Teatro Tivoli BBVA, Time Out Mercado da Ribeira e Worten.

Lista completa aqui.

Quaisquer bilhetes comprados a terceiros ou em postos não oficiais, poderão ser considerados inválidos, por adulterados ou por a sua venda ter sido duplicada e um deles já ter dado entrada no recinto e impossibilitar a sua entrada no espetáculo.

Os IDLES acabam de anunciar a sua maior Tour Europeia de até à data, com passagem em Portugal no dia 29 de fevereiro de 2024, na Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota, no Porto.

Após um verão em que se destacaram nos mais importantes festivais internacionais, desde o Electric Picnic até ao Splendour in the Grass, passando pelo NOS Alive e o Fuji Rock; a banda de Bristol anuncia agora todo os detalhes da sua maior digressão europeia até à data.

Consolidados como a banda de rock ao vivo mais importante e visceral da sua era, esta próxima digressão europeia levará os IDLES aos palcos das grandes salas, para as quais foram criados.

Inspirador, energizante e catártico; um espetáculo dos IDLES faz com que todos no público se sintam como uma parte valiosa do espetáculo que, no fundo, é uma experiência comunitária que celebra a vida, independentemente do tamanho da sala.

Joe Talbot dos IDLES diz: “Estamos a regressar a casa. À Europa, um lugar que nos viu crescer com beleza e vigor. Prometemos retribuir, espetáculo após espetáculo após espetáculo. Tudo isto é amor.”

Atualmente a trabalhar em nova música para o seu muito aguardado quinto álbum. Este será o sucessor do aclamado álbum Crawler de 2021, que resultou nas primeiras nomeações para os Grammys da banda.

A 6 de outubro, o álbum Joy As An Act Of Resistance (2018), será lançado em vinil de luxo no dia 6 de outubro para celebrar o quinto aniversário do seu lançamento. Pressionado em vinil de 180 gramas, inclui capas de álbum intercambiáveis: oito inserções duplas com dezasseis impressões de arte originais da exposição “Joy As An Act of Resistance”, tudo alojado numa elegante capa em forma de gatefold com brilho dourado, que já pode ser pré-encomendado.

A Super Bock Arena prepara-se assim para receber uma das bandas mais adoradas do público português num dos espetáculos mais energéticos de sempre, no dia 29 de fevereiro de 2024.


TANGK é o quinto álbum justo e vibrante dos destemidos lutadores pela verdade, os IDLES. Pronunciado “tank” com um toque do “g” – uma referência onomatopeica à maneira fulgurante como a banda imaginava o som de suas guitarras, que desde então se tornou um símbolo de viver no amor – o álbum é o trabalho mais ambicioso e marcante da banda até agora. Onde os IDLES costumavam enfrentar o mundo de frente, confrontando com mandíbulas fortes os perpetuamente privilegiados e exorcizando traumas pessoais em tempo real, eles chegaram a este novo ato para oferecer os frutos de tal perseverança: amor, alegria e, de fato, gratidão pela simples oportunidade de existir.

Um sentido radical de empoderamento desafiante irradia de TANGK, co-produzido por Nigel Godrich, o guitarrista dos IDLES, Mark Bowen, e Kenny Beats. Apesar da sua reputação como uma centelha incendiária pós-punk, o líder Joe Talbot canta quase todos os sentimentos nestas 10 músicas com uma alma bem merecida, oferecendo cada promessa luxuriosa ou apelo à solidariedade como uma legítima canção pop – ou seja, algo para todos compartilharem e celebrarem, hinos comunitários destinados a superar nossos ressentimentos. O single principal, “Dancer,” destaca-se como o ponto alto vibrante e sujo no centro do álbum – o baixo trilhante e a guitarra ricocheteando dão espaço para Talbot falar sobre suor e sexo na pista de dança. (Você também verá aqui James Murphy e Nancy Whang dos LCD Soundsystem, cantando.) É lascivo, brincalhão e positivo, o som extasiante de pelo menos uma solução temporária. No refrão improvisado, Talbot oferece o novo mantra essencial dos IDLES: “Eu me dou a você/Enquanto você se mexer no chão.”

Ele está a cantar sobre o êxtase de um novo relacionamento, mas também está a cantar sobre a dinâmica especial entre os IDLES e os seus fãs, ou os IDLES e o mundo em geral. Esta é a promessa da banda de continuar a elevar-se e a lutar por si próprios e pelos seus ouvintes, de continuar a oferecer a persistência sombria da alegria, da esperança, do amor e do espanto, desde que alguém precise para sobreviver. É uma canção de amor da mesma forma que TANGK é um álbum de amor – aberto a quem quer que precise de gritar bem alto para afastar qualquer sensação iminente do vazio, seja agora ou para sempre.

Onde Ficar



Booking.com

Subscreva aqui à newsletter!

Adicione um endereço de e-mail válido
Esse endereço já está em uso
The security code entered was incorrect
Obrigado pela inscrição!